Casada com um Estranho — Sylvia Day


Casada com um Estranho (The Stranger I Married) Julia 1496

Personagens: Isabel “Pel” Pelham & Gerard Faulkner

Inglaterra, 1815

Um amor imprevisível

Isabel Pelham e Gerard Faulkner formam o casal mais escandaloso de Londres, combinam em todas as coisas — sensualidade, desejo intenso, bom humor, desprezo pelas convenções, atrevimento, e a recusa absoluta de se apaixonarem um pelo outro. Isabel fechou seu coração ao amor e, dos homens, só deseja companhia e prazer. O casamento entre ambos é um acordo dos mais agradáveis, até que uma chocante reviravolta leva Gerard para longe...

Quatro anos depois, ele está de volta. Mas o rapaz farrista e irresponsável foi substituído por um homem sério e charmoso, determinado a seduzir Isabel. O relacionamento descontraído transformou-se numa tentação irresistível, um marido que deseja Isabel de corpo e alma, e que não se deterá diante de nada para conquistar o amor da esposa. Não, aquele não é o homem com quem Isabel se casou mas... É o homem que finalmente poderá roubar seu coração...

Após o marido morrer num duelo travado para defender a honra de outra mulher, Isabel Pelham decide que não quer mais nada de um homem além de sexo. Sem pensar duas vezes, troca de amante sempre que o da vez se mostra apaixonado e a pede em casamento.

Já Gerard Faulkner, o marquês de Grayson, estava apaixonado por uma jovem que se casou com outro e estava grávida dele. A fim de evitar as mães casamenteiras da sociedade, ele não hesita em propor casamento a Isabel: uma união no papel, em que ambos seriam livres para fazer o que quisessem sem cobranças, ao mesmo tempo em que evitariam que os respectivos amantes tivessem “ideias”. Ela aceita.

Mas a amada de Gerard morre e ele parte sem olhar para trás, voltando quatro anos depois disposto a fazer o casamento com Isabel funcionar. Exceto que Isabel ainda não tinha mudado de opinião a respeito dos homens. E mesmo que tivesse, ainda havia muitos obstáculos que ela e Gerard teriam que vencer para ficar juntos.

Minha opinião:

Casada com um Estranho não foi escrito para quem tem aversão a infidelidade — apesar de neste caso eu não ter certeza de que esse termo se aplique. Quer dizer, posso considerar infiel um homem e/ou uma mulher que age com o conhecimento e concordância do parceiro?

Isabel e Gerard se casaram por motivos pessoais e egoístas. Ela sofreu com a traição do marido e se recusa completamente a confiar em outro homem, ainda mais um que, como Gerard, seja um patife, libertino, viciado em todos os vícios possíveis e que sumiu por anos sem dar notícias, ao passo que ele jura que não fez nada além de pensar nela, mesmo estando apaixonado pela mulher que morreu, o que me fez pensar se ele realmente estava apaixonado ou planejava usá-la, assim como a Isabel, para irritar a mãe; afinal, na mesma época em que se relacionava com Emily, Gerard tinha mais duas amantes, para poupá-la da paixão dele, já que ela era tão delicada.

Pelo livro ter sido lançado numa versão espicaçada pela Nova Cultural — como um Julia em vez de um Clássico Histórico —, foi possível perceber os saltos e “partes faltando” que, apesar de inicialmente não prejudicarem a leitura, afetaram a compreensão e a formação de vínculos com Isabel e Gerard.

Os coadjuvantes são maravilhosos: o irmão mais velho de Isabel, Rhys, e Abigail, o patinho feio, mereciam receber uma história própria, assim como o pobre Hargreaves, o amante viúvo (e ainda apaixonado pela esposa) que Isabel abandona quando Gerard retorna.

Ao contrário dos outros livros de Sylvia Day, este não faz parte de uma série. Contudo, no site dela, há um segundo epílogo disponível para download.

8 Comentários
  • Cunhadaaaaaaaaaaaa!

    O que está escrito no segundo epilogo?????

    Fikei mega curiosa!

    Eu confesso que amo esse casal, e esse livro é uma leitura inesquecivel!

  • Cunhada, os dois têm um bebê. Sylvia Day disse que muitos leitoras pediram para ela escrever a cena e ela escreveu. ;)

    Bjos

  • É mesmo :D E o melhor é que é de graça, porque tem uma autora aí que escreve vários segundos epílogos e vende. rs Me mordo de curiosidade, mas não compro. rs

  • kkkkkkkk conta o ato feio... conta o nome tb cunhada...rsrs.

    Eu gosto muito da Sylvia Day!!!

  • Humm .... deixa eu pensar!!!!!
    Não gosto do tema infidelidade, mas ... há sempre um mas ...
    Considero infidelidade quando de fato já há uma relação de confiança entre o casal, e que estejam envolvidos em um relacionamento propriamente dito.
    Neste caso ... humm só lendo, agora fiquei curiosa.
    Fui correndo no facebook tentar achar a Mara, mas a malvada não estava mais lá.
    QUERO SPOILER!!!!!! :D

    Bjosss

  • kkkkkkkkkkkkk

    Renata querida!

    Tem resenha no blog ... então com ctz escapou algum spoillerzinho...rsrs

    bjos
    MARA

    http://ladydarques.blogspot.com.br/2010/06/casada-com-um-estranho-sylvia-day.html

  • Renata, realmente havia um pouco de confiança entre os dois... mas sei lá, o Gerard roubou a Isabel do melhor amigo. kkkkkkkkkkkkkkkkk

    Marinha, a "culpada" é a autora de um livro que você gosta e eu não gosto mesmo sem ter lido. *risada do mal* Será que você adivinha quem é?

    Bjos

  • Comente!